06/12/2021

06/12/2021

Huawei Watch GT 3 Series já está disponível no mercado nacional


Até final de Dezembro, podem usufruir da oferta de uma balança inteligente. 


Ainda a tempo de incluir nas compras de Natal, a Huawei anuncia a chegada às lojas portuguesas do mais recente relógio inteligente, o Huawei Watch GT 3. O sucessor da já reconhecida Huawei Watch GT 2 Series fica agora disponível para compra nas lojas e inclui, na campanha de lançamento que termina a 31 de Dezembro de 2021, a oferta da Huawei Scale 3.

 

A nova Huawei Watch GT 3 Series herda as características únicas da Huawei Watch GT Series, mas conta uma bateria de longa duração com maior autonomia e um upgrade do software e hardware. No que diz respeito à monitorização de dados, a tecnologia inovadora Huawei TruSeenTM 5.0+ incorporada no relógio, garante uma maior precisão da monitorização da frequência cardíaca e da monitorização de SpO2, abrindo assim uma nova era de saúde digital para os consumidores. O novo treinador de corrida assistido por Inteligência Artificial é, sem dúvida, uma adição de peso a esta nova série de relógios inteligentes que está preparada não só para quem gosta de treinar e estar sempre a par dos mais importantes parâmetros da sua saúde, mas também para quem gosta de andar com grande estilo no seu dia-a-dia.

 

Gestão de saúde durante todo dia no seu pulso

Desde a frequência cardíaca, à monitorização de SpO2, do sono e stress até ao controlo do ciclo menstrual feminino, o mais recente relógio da Huawei Watch GT 3, ajuda os utilizadores a monitorizar os mais relevantes parâmetros de saúde durante todo o dia. Através da aplicação Saúde da Huawei, que podem descarregar para os seus smartphones, os utilizadores podem sincronizar os dados de treino e monitorização da sua saúde, para que possam seguir mais de perto a sua evolução, não só a nível de treinos, como a nível de saúde. Este acompanhamento diário permite aos utilizadores obter um estilo de vida mais saudável e de acordo com os seus objetivos.  

 

Através da tecnologia Huawei TruSeenTM 5.0+, a capacidade de processamento de dados foi aperfeiçoada, reduzindo a taxa de perda de sinal e melhorando a precisão da monitorização da frequência cardíaca de forma abrangente, especialmente, em cenários de treino. A atualização de hardware e software do Huawei TruSeenTM 5.0+ permitiu ainda o aumento da precisão da monitorização de SpO2 mesmo em condições de baixa temperatura.

 

Monitorização do sono e do ciclo menstrual feminino

Os produtos smart wearables da Huawei representados pelo Huawei Watch GT 3 demonstram um avanço tecnológico na monitorização da qualidade do sono de forma a ajudar os utilizadores a gerirem melhor a sua saúde. Equipado com a tecnologia Huawei TruSleep™ 2.0, que foi desenvolvida e otimizada pela marca, o Huawei Watch GT 3 garante a monitorização da fase do sono, o controlo da frequência cardíaca em tempo real, a verificação da respiração durante o sono e a análise da qualidade do mesmo sem perturbar o utilizador durante o seu período de descanso.

 

O novo relógio da Huawei Watch GT 3 Series pode também detetar automaticamente a duração do sono do utilizador e apresentar a sua estrutura que inclui o sono leve, o sono profundo, REM e os períodos acordados. Além disso, consegue identificar com precisão seis problemas típicos do sono incluindo dificuldade em adormecer, sono leve, despertar fácil à noite, despertar precoce, sonhos múltiplos e sono irregular, fornecendo diversas sugestões e serviços personalizados para melhorar cientificamente a qualidade do sono.

 

Para as utilizadoras, o Huawei Watch GT 3, também ajuda na gestão do ciclo menstrual e recorda, inteligentemente, a data do seu próximo ciclo assim como o período fértil. O Watch GT 3 da Huawei também é um assistente de gestão do stress, fazendo a monitorização do stress dos utilizadores 24h horas por dia que é acompanhada de exercícios de respiração, que surgem no mostrador do relógio, sempre que é detetado um pico de stress.

 

Acompanhamento profissional para melhores resultados físicos

Além da gestão da saúde, o Huawei Watch GT 3 dispõe de orientação científica e profissional de treino. De acordo com os dados físicos dos utilizadores e o seu histórico, combinados com os objetivos de treino e requisitos de desempenho, os utilizadores podem agora usufruir de um plano de treino personalizado.

 

O Huawei Watch GT 3 oferece uma funcionalidade de monitorização de treino atualizada, que disponibiliza mais de 100 modalidades de treino, incluindo 18 modalidades de treino profissionais, 12 treinos ao ar livre (corrida, caminhada, alpinismo, ciclismo, natação, triatlo, ski, snowboard, treino livre e golfe) e 7 treinos de interior (caminhada, corrida, ciclismo, natação em piscina, treino livre, máquina elíptica e máquina de remo).

 

Para um estilo de vida cada vez mais acelerado, o Huawei Watch GT 3 assegura aos utilizadores as ferramentas necessárias para que estes possam melhorar a sua qualidade de vida. Com uma duração de bateria que pode ir até aos 14 dias[1], o Huawei Watch GT 3, oferece uma experiência de gestão de saúde mais abrangente, ao longo de todo o dia.  

 

 

Para mais informações consulte a loja online da Huawei: https://consumer.huawei.com/pt/wearables/watch-gt3/buy/



[1] No caso da bateria completa, o Huawei Watch GT 3 de 46 mm dura até 14 dias num cenário típico, enquanto que a versão de 42 mm oferece até 7 dias de autonomia num cenário semelhante. Com base nos resultados dos testes de laboratório da Huawei. O uso real pode variar dependendo da diferenciação dos produtos, hábitos do utilizador, e variáveis ambientais.

  
05/12/2021

05/12/2021

DuckDuckGo com App para Tracking Protection no Android

O DuckDuckGo lançou nova funcionalidade que bloqueia o tracking excessivo feito por muitas apps, em Android. 

Depois da "polémica" (para os anunciantes e vendedores de publicidade) decisão da Apple de perguntar aos utilizadores se davam autorização para as apps fazerem tracking da sua actividade no iOS, temos o DuckDuckGo a replicar algo idêntico no sistema Android.

O App Tracking Protection bloqueia o acesso das apps a trackers externos, impedindo a recolha excessiva - e muitas vezes completamente despropositada - de dados pelas apps.
Basicamente, é o equivalente a um "ad-blocker", mas que em vez de se limitar ao funcionamento dentro de um browser, vai funcionar também para as demais apps que se utilizam, e que normalmente têm total liberdade para fazerem todo o tipo de tracking que desejarem. Aliás, basta relembrar que muitas delas, só por estarem instaladas, fazem milhares de comunicações ao longo de poucos dias, mesmo quando não são utilizadas.

Infelizmente, a forma como isto é feita volta a ser através do uso uma pseudo-VPN, que neste caso não redirecciona o tráfego dos utilizadores, mas é usada para conseguir detectar e bloquear os acessos aos trackers independentemente da app que se utilize. Algo que se torna incompatível com a utilização de uma VPN real.

Ainda assim, será mais um serviço a ter em conta por quem prefere reduzir ao mínimo os excessos de tracking que infelizmente se tornaram tão comuns que actualmente até são considerados "normais".

Falha de segurança nos processadores MediaTek



A questão já está a ser resolvida, mas provavelmente nunca vai chegar à maioria dos smartphones. 

A Check Point® Software Technologies Ltd., fornecedor líder global de soluções de cibersegurança, identificou falhas de segurança nos chips para smartphone da fabricante taiwanesa MediaTek. Encontrados em 37% de todos os smartphones do mundo, os chips da MediaTek servem de principal processador para praticamente qualquer dispositivo Android de marcas como Xiaomi, Oppo, Realme, Vivo e mais. As falhas de segurança foram identificadas dentro do processador de áudio do chip. Se não fossem corrigidas, as vulnerabilidades permitiriam que um hacker espiasse os utilizadores e/ou escondesse um código malicioso.

 

Background

Os chips MediaTek contêm uma unidade especial de processamento de IA (APU) e um processador de sinal digital de áudio (DSP) para melhorar o desempenho dos suportes e reduzir a utilização de CPU. Tanto a APU como o áudio DSP têm arquiteturas de microprocessador personalizadas, tornando o MediaTek DSP um alvo único e desafiante para a investigação de segurança. A CPR teve interesse em descobrir até que ponto poderia o MediaTek DSP ser usado como um vetor de ataque para os agentes maliciosos. Pela primeira vez, a CPR foi capaz de inverter a engenharia do processador de áudio MediaTek, revelando várias falhas de segurança.

 

Método de ataque

Para explorar as vulnerabilidades de segurança, a ordem de operações do agente malicioso, em teoria, seria:

  1. Um utilizador instala uma app maliciosa pela Play Store
  2. A aplicação utiliza o API da MediaTek para atacar uma biblioteca que tenha já permissões para comunicar com o driver de áudio
  3. A app, com privilégios de sistema, envia mensagens personalizadas para o driver de áudio que depois executa o código no firmware do processador de áudio
  4. A app rouba o fluxo de áudio

 

A CPR comunicou as suas conclusões à MediaTek, criando as seguintes: CVE-2021-0661, CVE-2021-0662, CVE-2021-0663. Estas três vulnerabilidades foram, depois, corrigidas e publicadas no Boletim de Segurança de outubro de 2021 da MediaTek. A falha de segurança no áudio HAL da MediaTek (CVE-2021-0673) foi corrigida em Outubro e será publicada no Boletim de Segurança de dezembro de 2021. Também a Xiaomi foi informada pela CPR.

 

Slava Makkaveev, Security Researcher da Check Point Software, explica:

 

O MediaTek é conhecido por ser dos chips mais populares para dispositivos móveis. Dada a sua ubiquidade no mundo, começámos a suspeitar que poderia ser utilizado como um vetor de ataque por potenciais hackers. Iniciámos uma investigação que levou à descoberta de uma cadeia de vulnerabilidades que poderiam ser utilizadas para alcançar e atacar o processador de áudio do chip a partir de uma aplicação Android. Se não fossem corrigidas, um hacker poderia explorar as vulnerabilidades para ouvir as conversas dos utilizadores de Android. Além disso, as falhas de segurança poderiam ter sido mal utilizadas pelos próprios fabricantes de dispositivos para criar uma enorme campanha de escuta. Embora não vejamos qualquer prova específica de tal utilização indevida, divulgámos de imediato as nossas conclusões à MediaTek e à Xiaomi. Em resumo, identificamos um vetor de ataque completamente novo que poderia ter abusado do API do Android. A nossa mensagem para a comunidade Android é que atualizem os seus dispositivos para a mais recente patch de segurança, a fim de serem protegidos. A MediaTek trabalhou diligentemente connosco para assegurar que estas questões de segurança fossem resolvidas atempadamente, e estamos gratos pela sua cooperação e espírito em prol de um mundo mais seguro.”

 

Tiger Hsu, Product Security Officer da MediaTek:

 

"A segurança dos dispositivos é uma componente crítica e uma prioridade para todas as plataformas MediaTek. Relativamente à vulnerabilidade do Audio DSP revelada pela Check Point, trabalhámos diligentemente para validar a questão e disponibilizar as atenuações adequadas a todos os OEMs. Não dispomos de provas de que esteja atualmente a ser explorada. Encorajamos os utilizadores finais a atualizar os seus dispositivos à medida que as patches são disponibilizadas e a instalar apenas aplicações a partir de locais de confiança, tais como a Google Play Store.  Agradecemos a colaboração da equipa de investigação da Check Point que trabalhou para tornar o ecossistema de produtos MediaTek mais seguro.  Para mais informações, por favor ver: MediaTek Product Security

  
04/12/2021

04/12/2021

Fairphone lança Android 10 ao Fairphone 2 com 6 anos

Contrariando a posição habitual de esquecimento ao fim de um par de anos, a Fairphone fez chegar o Android 10 ao seu Fairphone 2 com 6 anos. 

Desde o início que a Fairphone quis marcar posição como empresa de smartphone sustentável, e demonstrar que os smartphones poderiam durar muito mais que os dois / três anos habituais, se os fabricantes se dignassem a mantê-los actualizados - e é precisamente o que faz, com actos que validam as suas palavras.

Embora não seja o Android 12 mais recente, nem tão pouco o Android 11 do ano passado, continua a ser notável que a Fairphone tenha disponbilizado o Android 10 para o seu Fairphone 2, fazendo com que provavelmente seja o único smartphone Android que conta com suporte oficial e actualizações ao fim de 7 anos.
As actualizações são, de facto, o ponto crítico nos equipamentos modernos - sendo que mesmo smartphones que se mantêm com hardware perfeitamente funcional, ficam quase obrigados a serem encostados, por deixarem de receber as actualizações de segurança que são imprescindíveis nos dias de hoje.

Talvez seja algo a que os consumidores comecem a dar mais valor no futuro, pois não há nada mais irritante do que ter um produto funcional que se tem que deixar de usar por causa de software (eu já fiquei "queimado" com um Chromebook Pixel, que apesar de ser uma máquina excelente, deixou de receber actualizações - ainda anterior à fase que a Google prometeu que manteria o Chrome actualizado independente do Chrome OS, para maior longevidade).

D-LINK com soluções para WiFi de longo alcance



Pontos de Acesso para ligações rádio de longo alcance (até 20km). 


A D-Link, líder global em tecnologias de rede, anunciou a incorporação de dois novos modelos na família de soluções de conectividade wireless. Trata-se dos novos Pontos de Acesso WiFi AC de longo alcance – até 5 km (DAP-3711) e até 20 km (DAP-3712) para ligações ponto-a-ponto e ponto-multiponto a velocidades até 867 Mbps. Ambos foram concebidos para resistir às instalações no exterior e oferecer uma conectividade WiFi estável, rápida e resiliente para levar o acesso à Internet onde antes era impossível chegar, tanto em ambientes urbanos como rurais.

 

Construídos com a tecnologia mais recente, líder de indústria, e especificamente concebidos para ligações rádio de longo alcance entre nós de acesso à Internet, redes entre edifícios ou pontos de acesso, os AP’s DAP-3711 e DAP-3712 estão equipados com antenas direcionais de alto ganho 15 e 23 dBi, respetivamente.

 



Os DAP-3711 e DAP-3712 integram a tecnologia TDMA, que reduz drasticamente as interferências para maximizar a eficiência do sinal da ligação, otimizando a latência e as taxas de emissão e assegurando a qualidade do serviço em instalações ponto-a-ponto (PRP) e ponto-multiponto (PTMP).



Desenhados especialmente para resistir a uma vasta gama de ambientes exteriores, os DAP-3711 e DAP-3712 incorporam uma caixa robusta com uma classificação IP-66, à prova de pó e resistente à água, assim como proteção de sobretensão 8kV. É perfeito para blindar a conectividade contra qualquer evento climático ou ambiente hostil.



Os novos Pontos de Acesso Wireless Bridge admitem PoE e ambos incluem o injetor PoE. Isso permite aos instaladores de rede colocar apenas 1 cable Ethernet tanto para os dados e para a energia, tornando a instalação muito mais fácil.

Características a salientar:

·       Permite uma ligação Wireless entre edifícios, nós ou pontos de acesso com uma distância até 5 ou 20 km, consoante o modelo.

·       Ligações de rádio de longo alcance ponto-a-ponto.

·       Ligações de rádio de longo alcance ponto-multiponto.

·       Antenas direcionais de alto ganho, 15dBi (DAP-3711) e 23dBi (DAP-3712).

·       Cobertura de alta velocidade com ligações estáveis graças à tecnologia TDMA, que elimina interferências.

·       Caixa resistente à água e pó com classificação IP66, o que torna os equipamentos adequados a ambientes externos mais agressivos.

·       O Power over Ethernet permite uma instalação mais flexível, ligando a energia e a conexão de rede através do mesmo cabo. Fonte de alimentação como injetor PoE incluída em ambos os modelos.

·       Proteção contra sobretensões 8 kV para uma segurança extra da antena e da rede contra descargas de raios ou curto-circuitos.

·       Modos de funcionamento: AP, Station, WDS AP, WDS Station.

·       WiFi AC de alta velocidade (até 867 Mbps) para distribuição para os dispositivos do cliente.

·       WPA 3, encriptação Wireless pessoal e empresarial de 128 bits incorporada para proporcionar uma rede muito mais segura.

·       Inclui âncoras para instalação em mastros e postes de antenas.

 

Ambos os modelos já estão disponíveis na rede de distribuidores autorizados da D-Link e em lojas especializadas, com um PVP recomendado de 169,90 euros para o DAP-3711 e 199,90 euros para o DAP-3712.

 


03/12/2021

03/12/2021

Motorola pode estrear novo sensor da Samsung

Contrariando a expectativa da Samsung estrear os seus novos sensores de 200 MP, a honra poderá afinal pertencer à Motorola. 

Apesar da Samsung ser um dos maiores fornecedores de sensores para câmaras nos smartphones, e das câmaras serem um dos elementos de destaque em cada novo lançamento, parece que a Samsung irá ceder a estreia do seu novo mega-sensor de 200 MP à Motorola (Lenovo).

A medida não será inédita, sendo que no passado também já cedeu várias estreias de sensores a outros fabricantes, como a Xiaomia - que há alguns meses também se pensava que seria a primeira a utilizar este sensor, embora pareça que, se ficar atrás da Motorola, também não será por muito tempo.
Mais estranho é a referência de que a Samsung só o irá utilizar em 2023, o que indica que a Samsung ainda não o irá utilizar nos seus modelos topo de gama de 2022. Uma opção que também pode ter a ver com o volume de produção: seguramente será mais fácil produzir e fornecer um lote inicial para a Motorola, em quantidades mais reduzidas, depois para um cliente de maiores dimensões como a Xiaomi - e no processo amortizando os custos mais elevados das fases iniciais de produção; e só quanto tiver a produção amadurecida, começar finalmente a dar-lhes uso nos seus próprios smartphones.

De qualquer forma, ter em conta que o objectivo deste sensor de 200 MP é fazer o agrupamento de píxeis para ficar com imagens de 50 MP ou 25 MP com qualidade superior. Não esperem "milagres" das supostas imagens de 200 MP que estes sensores irão produzir.

Huawei pisca o olho ao sector feminino


Os Huawei FreeBuds Lipstick chegam ao nosso mercado, mesmo a tempo do Natal. 

Chegaram ao mercado português os mais recentes auriculares da Huawei, os Huawei FreeBuds Lipstick. Os mais recentes auriculares da Huawei FreeBuds Series oferecem um design premium e irreverente com a inovadora tecnologia que caracteriza a Huawei e que garante às consumidoras que gostam de produto únicos uma experiência de áudio de elevada qualidade.

 

Um batom clássico com um toque de cor e tecnologia

Os Huawei FreeBuds Lipstick com a sua estrutura em aço inoxidável e design premium contam com linhas finas e arcos arredondados, o que lhes confere um aspeto luxuoso. Os novos auriculares da marca foram concebidos no Aesthetics Research Centre da Huawei, em Paris, por um grupo de designers internacionais da indústria de produtos de luxo, moda e automóvel.

 

A elegante caixa de carregamento dos Huawei FreeBuds Lipstick foi construída recorrendo a 30 processos que garantem um acabamento liso que se assemelha a um espelho, além de tornar a caixa mais resistente à corrosão e ao desgaste. Juntamente com a caixa de oferta perfumada[1] os utilizadores podem desfrutar de uns earbuds com um toque único.

 

Os Huawei FreeBuds Lipstick oferecem ainda uma glamorosa palete de cores, uma combinação de dourado, preto e vermelho. Estas cores retratam perfeitamente o batom clássico, com o preto a representar o mistério, o dourado a simbolizar o luxo e o vermelho que expressa e emoção e o encanto.  

 

Assistente inteligente com ANC e uma experiência de áudio poderosa

Os Huawei FreeBuds Lipstick herdam o design da Huawei Freebuds Series, que se baseia no sistema de simulação ergonómica, ajustados em mais de 10.000 modelos[2] de orelhas. Estes dispositivos foram sujeitos a um extenso teste de simulação de stress em oito partes da orelha, permitindo que o desenho dos auriculares fosse melhorado de forma a proporcionar o máximo conforto na sua utilização.

 

Os Huawei FreeBuds Lipstick contêm ainda o ajustamento AEM EQ que deteta, automaticamente, a forma do canal auditivo e as condições de utilização, atribuindo o ajuste de EQ mais adequado para se adaptar aos ouvidos dos utilizadores. Ao usar a aplicação Huawei AI Life, os consumidores podem escolher entre três modos de EQ: equilibrado (padrão), reforço de graves/ bass boost, e reforço de agudos para desfrutar de uma experiência de áudio personalizada.

 

Além de todas as características mencionadas, estes auriculares adotam ainda o microfone-duplo que permite o cancelamento de ruído, conseguindo assim cessar o barulho exterior. Através da tecnologia de cancelamento de ruído AEM, os auriculares podem selecionar, automaticamente, um dos dez conjuntos (de parâmetros existentes) mais adequado à supressão de som.

 

Conectividade inteligente para uma transição entre dispositivos sem descontinuidades

Seja com o smartphone, tablet ou PC é possível estabelecer ligações duplas entre os Huawei Freebuds Lipstick e estes dispositivos, sendo que os utilizadores podem configurar as definições de controlo tátil através da aplicação Huawei AI Life[3].

 

Os Huawei FreeBuds Lipstick também podem ser conectados a um smartwatch[4] Huawei, permitindo a gestão dos modos de cancelamento de ruído, verificação da duração da bateria e o controle da reprodução de música. Com a mais recente tecnologia de codificação de áudio, os Huawei FreeBuds Lipstick conseguem reduzir a latência para 90ms[5], mantendo o áudio em pausa através da ação no ecrã.

 

Além da conectividade inteligente, os Huawei FreeBuds Lipstick, gravam um som de alta fidelidade com uma sample rate até 48 kHz[6]. Os utilizadores só precisam de ligar o Modo Surroundings na aplicação Huawei AI Life, conseguindo desta forma gravar o som ao seu redor quando estão, por exemplo, a gravar um vlog durante uma viagem, garantindo assim que todos os momentos são captados com um som de alta qualidade.

 

E claro, não é preciso preocupar-se com a bateria enquanto desfruta da sua música favorita uma vez que, a Huawei melhorou a autonomia da bateria dos Huawei FreeBuds Lipstick. Com a opção de ANC desligada, os novos auriculares da Huawei oferecem até 22 horas de reprodução de música com a caixa dos earbuds, totalmente, carregada ou 4 horas de reprodução de música, com os auriculares também carregados. A poderosa duração da bateria permite aos utilizadores desfrutar de música em qualquer altura e em qualquer lugar sem se preocuparem[7].

 

Huawei Freebuds

PVPR: 249,9€



[1] O cheiro só permanece na embalagem e desvanece-se com o tempo.

[2] A recolha de modelos de orelhas humanas foi aprovada pelo sujeito do teste.

[3] Mais configurações podem ser personalizadas através da aplicação Huawei AI Life.

[4] O controlo dos modos de cancelamento de ruído e verificação da duração da bateria apenas são suportados pelo Huawei Watch 3. Estas funções só são suportadas após a atualização HOTA.

[5] Dados fornecidos pelos laboratórios Huawei, obtidos a partir de testes com o Huawei Mate 40. Os dados de latência são tempos combinado de latência de jogo, telefone e auriculares. A latência real depende do modelo do telefone, versão do sistema, jogo, versão do jogo, etc.

[6] Tanto para o Modo ao Vivo como para o Modo Melhoramento de Voz. Envolve gravação através dos auriculares, e precisa de ser iniciado manualmente através da aplicação Huawei AI Life. Apenas suportado em alguns modelos de smartphones Huawei.

[7] Dados fornecidos pelos laboratórios Huawei, obtidos sob as seguintes condições: os auriculares ou caixa de carregamento estão totalmente carregados, nível de volume de 50%, modo ANC ativado, temperatura ambiente de 25°C. O desempenho real da bateria pode variar em função do nível de volume, ruído, presença de interferência ambiental, características do produto, e hábitos de utilização. O carregamento rápido só é possível quando o nível da bateria dos auscultadores é relativamente baixo.

  
02/12/2021

02/12/2021

OnePlus 10 Pro com nova geração de processadores Snapdragon

Já se sabe o que esperar do próximo OnePlus 10 Pro, que estreará a nova geração de chips Snapdragon. 

Não se pode dizer que o próximo modelo da OnePlus venha com muitas surpresas, coisa que se tem tornado cada vez mais rara desde a sua integração na Oppo, acabando por partilhar muitas das características com outros modelos do grupo. Neste caso, espera-se que o novo topo de gama da marca venha equipado com um ecrã AMOLED QHD+ de 6.7" a 120 Hz, Snapdragon 8 Gen1, 8 GB ou 12 GB RAM, 128 GB ou 256 GB UFS 3.1, com sistema de câmaras de 48 MP + 50 MP ultrawide + 8 MP teleobjectiva 3.3x, câmara frontal de 32 MP, e bateria de 5000 mAh.

Será um dos primeiros smartphones a usar a nova geração de chips Snapdragon que adopta nova designação, mas a maior surpresa é ver que o conjunto de tripla câmara se mantém inalterado face ao OnePlus 9 Pro. Isto numa altura em que as câmaras têm sido usadas como um dos principais motivos para se ir fazendo o upgrade de ano para ano, já que no campo do desempenho já se chegou ao ponto de ter chips tão potentes que, na maioria dos casos, já não podem funcionar à sua velocidade máxima durante muito tempo por causa do aquecimento.

Com os preços da OnePlus a terem perdido o estatuto de "flagship killer" há muito, não é de esperar que este novo OnePlus 10 Pro venha revolucionar nessa área, devendo manter um preço idêntico ao do seu antecessor.

Hama com novos carregadores até 55W


Carregadores USB da Hama oferecem potência até 51 watts

Hama apresenta duas novas estações de carregamento USB com potências de 51 watts e 33 watts e suporte para tecnologias de carregamento rápido, que podem ser usadas não apenas para o carregamento de smartphones e tablets como também para computadores portáteis.


Tratam-se de equipamentos de nova geração, compactos, potentes, flexíveis e extremamente acessíveis, compatíveis com qualquer dispositivo capaz de ser carregado através de uma porta USB, incluindo USB-C.


Hama Charging Station 51W (ref.ª 210536) oferece uma potência total de 51 watts distribuída por 5 portas USB: 1x USB-A compatível com tecnologia de carregamento rápido Qualcomm QuickCharge 2.0/3.0; três portas USB-A com potência até 15 watts cada; e uma porta USB-C com tecnologia Power Delivery, capaz de carregar rapidamente dispositivos compatíveis – incluindo tablets e até notebooks (máximo 12 volts / 18 watts).

Com uma fonte de alimentação universal (110~240v) e cabo destacável, este é um carregador ideal para usar no escritório, em casa e sempre que haja necessidade de carregar múltiplos dispositivos.


Hama Charging Station 33W (ref.ª 210537) oferece uma potência total de 33 watts distribuída por 4 portas USB: 1x USB-A compatível com tecnologia de carregamento rápido Qualcomm QuickCharge 2.0/3.0; e três portas USB-A com potência até 15 watts cada.

Este é um equipamento compacto, ideal para viajar (compatível com redes 110-240v), com ficha integrada e que pode ser usado para carregar até quatro smartphones e/ou tablets em simultâneo.


Em qualquer dos casos, estas estações de carregamento possuem tecnologia integrada que lhes permite otimizar o processo de carga dos dispositivos e, dependendo dos cenários de utilização, são capazes de multiplicar por três a velocidade com que a bateria é recarregada.


Preço e disponibilidade

Hama Charging Station 51w e 33w estarão disponíveis no mercado português no final de agosto e têm um PVP recomendado de 33,99 € e de 19,99 €, respetivamente.


Mais informação:

https://www.hama.com/00210537 e https://www.hama.com/00210536 
01/12/2021

01/12/2021

Qualcomm altera designação dos seus processadores

Com cada vez mais números a complicar a vida aos consumidores, a Qualcomm anuncia que vai abandonar a numeração de três dígitos do chips Snapdragon. 

A poucos dias da apresentação oficial do seu novo chip topo de gama, a Qualcomm revela que vai abandonar a sua designação numérica tradicional - algo que também se tornaria inevitável, agora que se começava a aproximar dos "999" - e apostar num novo sistema. Até agora, a Snapdragon usava chips como Snapdragon 480, Snapdragon 765, ou Snapdragon 888, com o primeiro dígito a indicar a gama do chip (8 para os chips de topo), o segundo a indicar a geração (865 para 875 por exemplo), e o último dígito a indicar algumas variações ou actualizações menores, como o Snapdragon 765G e o 768G).

Outra alteração, os Snapdragon passam perdem o "Qualcomm", passando a funcionar como marca própria individual, e também - felizmente! - cai a designação 5G, com a Qualcomm a dizer que isso se está a tornar tão comum que deixa de haver necessidade referi-lo.


A nova nomenclatura ainda não foi revelada, sendo apenas dito que passará a utilizar um único dígito para a classe de chip e para a geração, sendo estreada com o "898" que tem apresentação marcada para o final deste mês.