27/10/2017

27/10/2017

Resultados da LG mobile continuam no vermelho


No campo das TV, com os seus fantásticos ecrãs OLED e um WebOS cada vez mais adaptado ao grande ecrã, a LG tem conseguido garantir avaliações extremamente positivas, mas no que diz respeito ao sector mobile, a situação é bem diferente, com os smartphones a não conseguirem acompanhar o sucesso obtido pelas televisões.

De acordo com os dados agora divulgados pela LG para o terceiro trimestre, a marca Sul-Coreana registou perdas na divisão mobile na ordem do 330 milhões de dólares. Com este cenário preocupante em pano de fundo, a LG preferiu salientar os 8% de ganhos face ao período homólogo de 2016 e os 4% de aumento na receita, comparativamente ao obtido no segundo trimestre deste ano. Estas perdas foram na realidade 13 % inferiores ao registado em 2016, com a LG a conseguir um aumento de 44% no envio de unidades para o retalho na Coreia (face a 2016). Nos EUA, apesar de também ter conseguido um aumento, este foi bastante inferior, ficando-se pelo 9%, não conseguindo chegar aos sempre ambicionados dois dígitos.

Apesar destas melhorias, a vida continua a não estar nada fácil para o sector mobile da LG. No terceiro trimestre de 2014, conseguiu vender 16,8 milhões de smartphones, mas no trimestre passado em valor foi de apenas 13,7 milhões de unidades, o que representa uma redução de 18,4%, em três anos.

Os smartphones da LG continuam a apresentar excelentes níveis de design e desempenho, mas a luta titânica entre a Samsung e a Huawei, parece não dar tréguas aos seus concorrentes. O facto de a LG também não conseguir contrariar as ofensivas pouco simpáticas do seu vizinho Sul-Coreano, com este a conseguir garantir os melhores processadores da Qualcomm, quando a LG necessitava dos mesmos para o seu topo de gama, é mais uma acha para a fogueira, que continua a arder.

Infelizmente, parece que se vai passar exactamente o mesmo com o G7, pois a Samsung deverá já ter garantido para si os primeiros lotes de produção do Snapdragon 845, tendo a LG de se contentar com o Snapdragon 835. Não se afiguram nada fáceis os próximos tempos para esta marca Sul Coreana. Quem sabe se a passagem da apresentação do topo de gama para meados de 2018 não poderia ser uma ajuda para inverter os resultados menos positivos.

0 comments:

Publicar um comentário