07/04/2021

07/04/2021

Aprenda a desinfetar o smartphone


A CAT apresenta algumas sugestões para desinfetarem o smartphone.

Os telemóveis ajudaram-nos a sentirmo-nos mais próximos da família e amigos durante o confinamento. Mas não devemos esquecer que, estes dispositivos que levamos connosco sempre que saímos de casa, que muitas vezes tocam na nossa cara ou mãos, podem ser uma fonte de vírus e bactérias, pelo que devem ser devidamente desinfetados para evitar futuras infeções. De acordo com um estudo publicado na revista académica de medicina Germs (2017), foram encontradas mais de 17.000 bactérias em telemóveis. Estudos demonstraram que um telemóvel no bolso é, por exemplo, dez vezes mais sujo que o assento de uma sanita!

Em certas profissões, a exposição à sujidade, germes ou substâncias nocivas requer que os smartphones sejam completamente limpos e desinfetados regularmente. Para reduzir os riscos, é necessário repensar a forma de como os colaboradores utilizam os seus telemóveis pessoais e até os que têm de partilhar e estabelecer novas rotinas que podem salvar vidas. O Grupo Bullitt, licenciado em Cat®phones, em parceria com o Dr. Simon Clarke, Professor de Microbiologia Celular na Universidade de Reading, elaborou um guia com algumas diretrizes de limpeza, dependendo do tipo de trabalho e utilização do telemóvel em cada função:

 

Trabalhar ao ar livre

Trabalhar ao ar livre pode dar uma falsa sensação de segurança. No entanto, a exposição constante em ambientes com outras pessoas, e também a superfícies partilhadas, é um fator de risco para a contaminação dos dispositivos móveis. Recomenda-se que os trabalhadores, como os que trabalham na área das entregas, mantenham os seus telemóveis dentro dos veículos ou bolsos, sempre que possível, e nunca os coloquem virados para baixo em qualquer lugar durante o processo de entrega. Superfícies como maçanetas e campainhas são duas potenciais fontes de contaminação, por isso devemos limpar bem as nossas mãos com álcool gel e água antes de voltarmos a tocar no nosso telemóvel.

Os trabalhadores dos sectores de construção e logística devem tratar as áreas em que trabalham, como espaços públicos, com o mesmo risco associado - passam por eles muitas equipas diferentes de trabalhadores, sendo que podem potencialmente contaminar superfícies.

Trabalhar em casa de outras pessoas

O tipo de trabalho realizado em casas de outras pessoas varia muito: alguns empregos representam um risco muito baixo, dependendo do contacto que temos com outras pessoas, enquanto que noutras profissões (por exemplo, canalizadores, uma vez que estão frequentemente expostos a uma potencial contaminação ao desbloquear tubos) representam um risco maior. Nestes casos, recomenda-se reduzir ao mínimo o uso de telemóveis pessoais, sendo que deve certificar-se de que limpa não só os mesmos, mas também as mãos, antes de os utilizar.

Trabalhar na linha da frente - Cuidados de emergência e saúde

Para os trabalhadores da linha da frente é especialmente importante manter uma higiene adequada do telemóvel, de forma a evitar que se criem veículos de infeção. Num estudo publicado pela Universidade Ondokuz Mayis, na Turquia, quase 95% dos dispositivos dos médicos e dos profissionais de saúde tinham diferentes tipos de bactérias que podiam transmitir doenças graves. Apenas 10% limpavam e desinfetavam regularmente os telemóveis. Por esta razão, é importante sensibilizar para a necessidade de implementar protocolos que evitem a contaminação através dos telemóveis.

Empresas como o departamento de transporte de medicamentos da Malteser Hilfsdienst, uma empresa de serviços de logística para equipamentos médicos de emergência, produtos laboratoriais e equipamentos de serviço de emergência em Munique, utilizam os Cat Phones robustos para prestar o seu serviço. Neste campo, os telemóveis devem ser resistentes a quedas, impermeáveis e ter uma bateria com uma longa duração, de forma a poderem ser utilizados em qualquer situação extrema. Para garantir que os serviços de emergência possam realizar o seu trabalho de forma segura, o facto de o telemóvel poder ser completamente desinfetado é um requisito básico. “Ao utilizarmos estes dispositivos robustos, resolvemos dois problemas ao mesmo tempo: o investimento, porque o número de telemóveis defeituosos foi significativamente reduzido, e o facto de podermos limpar o telemóvel de forma higiénica durante as mudanças de turno”, explica Samuel Schuler, team leader da Malteser Hilfsdienst e.V. em Munique, e acrescenta: “Os Cat Phones provaram ser companheiros de confiança - um conceito no qual estamos felizes em continuar a investir”.

Em Espanha, uma brigada de bombeiros conseguiu localizar e controlar um incêndio no interior do Museu Lekuona, em Renteria-Gipuzkoa, graças à ajuda de um terminal Cat, robusto e com todas as medidas de resistência e higiene necessárias, bem como uma câmara térmica para detetar pontos quentes. "Este dispositivo é interessante para qualquer bombeiro que queira trabalhar melhor, com mais segurança e eficiência nas tarefas que temos de enfrentar", explica Jon Mikel Aralar, bombeiro no quartel dos bombeiros de Zarautz.


Trabalhar em escritórios e com telemóveis partilhados

Em primeiro lugar, devemos criar a rotina de limpar o nosso telemóvel todos os dias quando chegamos ao escritório. Em segundo lugar, devemos procurar novas formas que nos ajudem a utilizar menos os telemóveis pessoais no trabalho, como por exemplo, ao instalar aplicações que utilizamos regularmente nos nossos computadores de secretária, ou ao verificar os telemóveis apenas em determinados momentos durante o dia. É também importante evitar o uso de telemóveis enquanto se come e evitar levá-los connosco para áreas comuns onde não é necessário, como cantinas e casas de banho. Recomenda-se também que não coloquemos os nossos telemóveis em mesas ou secretárias de outros colegas, e não permitir que outras pessoas toquem ou manuseiem os nossos telemóveis.

Além disso, os telemóveis partilhados nos escritórios são uma fonte de vírus. Os telemóveis profissionais devem ser cuidadosamente limpos no final de cada dia útil, antes de serem guardados num local seguro, fechado e higiénico durante a noite. Os telemóveis devem ser limpos o mais cuidadosamente possível quando são utilizados alternadamente. Evite utilizar capas ou telemóveis que não exijam coberturas protetoras. As capas armazenam vírus e bactérias da mesma forma que os telemóveis e, em muitos casos, podem ser ainda mais difíceis de limpar. A utilização de telemóveis profissionais deve ser registada e monitorizada sempre que possível.

Uso e higiene dos telemóveis robustos

Os dispositivos robustos podem ser lavados cuidadosamente com sabão e água, limpos com álcool gel/toalhetes, ou até mesmo com lixívia, tornando-os uma alternativa ideal para quem sai de casa para trabalhar. Muitos smartphones afirmam ser à prova de água, contudo, apenas telemóveis verdadeiramente impermeáveis podem resistir à água, por isso certifique-se de limpar o seu telemóvel de acordo com as diretrizes do fabricante, para que não haja risco de danificar o dispositivo ou invalidar a garantia. Os telemóveis que podem ser limpos mais detalhadamente podem desempenhar um papel crucial na redução da propagação de vírus.

Os telemóveis Cat, além de serem resistentes a quedas e totalmente submersíveis à água, foram submetidos a centenas de testes de abrasão por pressão alcoólica, bem como a testes de limpeza de lixívia e de exposição química e suscetibilidade, mitigando assim a propagação do vírus e ajudando-nos a estabelecer novas rotinas para uma vida mais segura e saudável. 

0 comments:

Publicar um comentário