17/09/2018

17/09/2018

Bloquer o smartphone não é uma preocupação para mais de metade dos portugueses


O facto de mais de metade dos utilizadores portugueses (58%) não protegerem os seus dispositivos móveis com palavra-passe e apenas 21% a recorrer a soluções anti-roubo, leva a que os hackers fiquem com a vida facilitada.


Hoje em dia, são várias as pessoas que dependem dos seus dispositivos móveis para aceder à internet e levar a cabo atividades online. Portanto, perder um deles às mãos de um hacker acarreta consequências mais graves do que nunca. Por exemplo, 68% dos portugueses inquiridos admite aceder regularmente à internet no seu a smartphone e 35% utiliza frequentemente um tablet para se conectar.
Desta forma, várias informações preciosas são armazenadas e enviadas a partir destes dispositivos. Em Portugal, cerca de uma em cada quatro pessoas (24%) utiliza os seus smartphones para atividades bancárias online, proporcionando acesso a informações financeiras valiosas. Além disso, 60% dos utilizadores recorre com regularidade aos seus smartphones para aceder ao seu email pessoal e 58% admite utilizá-los para visitar as suas redes sociais, ambas atividades que envolvem uma vasta quantidade de informações sensíveis. Os valores nacionais encontram-se acima da média europeia (57% e 55%, respetivamente), de acordo com os resultados do estudo realizado pela empresa de cibersegurança.
Mas todas estas informações armazenadas nos seus dispositivos móveis não torna necessariamente as pessoas mais conscientes e preocupadas – menos de metade (48%) dos utilizadores protege os seus dispositivos móveis com palavras-passe e apenas 14% encripta os ficheiros e as pastas de forma a evitar acessos não autorizados. Portanto, se um dispositivo cai nas mãos erradas, todos estes dados – desde contas pessoais, fotos, mensagens e até mesmo dados financeiros – podem tornar-se acessíveis a uma terceira pessoa.
E mesmo dispositivos que são protegidos por palavras-passe podem originar consequências desastrosas quando perdidos ou roubados. Por exemplo, menos de metade (43%) dos utilizadores faz uma cópia dos dados armazenados nos seus dispositivos, e apenas 22% instala soluções antirroubo nos seus dispositivos móveis, o que significa que os seus antigos proprietários terão dificuldade em aceder e recuperar as suas contas se perderem o seu smartphone. Os utilizadores portugueses continuam, uma vez mais, abaixo da média europeia a nível de proteção e prevenção de ameaças contra os seus dispositivos móveis, com apenas 39% a efetuar cópias regulares dos seus dados, e 21% a recorrer a soluções antirroubo.
Dmitry Aleshin, vice-presidente de Marketing de Produto da Kaspersky Lab, afirma, “Todos adoramos os nossos dispositivos conectados porque nos garantem acesso a informação vital, em qualquer lugar e a qualquer altura. São objetos valiosos pelos quais os criminosos se sentem naturalmente atraídos, e o seu trabalho é facilitado pelo facto de um em cada dois telemóveis não ser protegido por uma senha ou palavra-passe. Há vários passos, muito simples, que os utilizadores podem adotar para proteger os seus dispositivos e os dados neles armazenados. Ao ativarem a proteção com palavra-passe e utilizar uma solução de segurança específica que inclui proteção antirroubo, eles poderão proteger as suas informações pessoais – incluindo fotos e contas online – contra perdas ou intenções maliciosas.”
As soluções Kaspersky Security Cloud e Kaspersky Internet Security for Android foram desenvolvidas para ajudar os utilizadores a proteger os seus dispositivos móveis. A primeira, por exemplo, adapta-se automaticamente aos comportamentos do utilizador, proporcionando uma forte proteção independentemente das circunstâncias. Para além disso, a Kaspersky Internet Security for Android encoraja os utilizadores a proteger os seus dispositivos com palavras-passe, protegendo-os contra ameaças online e offline – quer seja roubos, malware ou os olhares curiosos de estranhos.

0 comments:

Publicar um comentário